Investimentos a longo prazo e sustentáveis: consulta pública da Comissão Europeia

Investimentos a longo prazo e sustentáveis: consulta pública da Comissão Europeia

Data da publicação: 03/02/2016

A Comissão Europeia lançou uma consulta pública sobre “Investimentos a longo prazo e sustentáveis”, que esteve disponível de 18 de dezembro de 2015 a 31 de março de 2016 e que visou recolher informações sobre: (i) a forma como investidores institucionais e gestores de ativos usam a informação sobre os temas de ambiente, social e governance (na sigla em inglês, ESG) das empresas para decidir a composição da sua carteira de ativos; (ii) a forma como as empresas divulgam informação sobre os temas ESG; (iii) os possíveis obstáculos aos investimentos a longo-prazo e sustentáveis.

Os resultados da consulta têm como objetivo apoiar a Comissão Europeia a avaliar a situação nestas áreas e, posteriormente, publicar um documento com as conclusões. Visto que fomentar o crescimento e o investimento é uma das principais prioridades da Comissão Europeia, o tema dos investimentos sustentáveis é muito relevante porque é um meio para atingir um fim. Para cumprir os objetivos europeus da economia de baixo carbono, é crucial induzir o setor financeiro a analisar os riscos de ESG das empresas e dos projetos e investir em projetos com impactos positivos. Para que os gestores de ativos e investidores possam fazer esta análise, as empresas devem passar a divulgar informação sobre os aspetos ESG de forma clara e consistente – tema que também está a ser trabalhado numa outra consulta pública, referente ao reporte de informação não-financeira.

Para manter e ampliar a competitividade, a Europa precisa de novos e significativos investimentos a longo prazo e sustentáveis. Os investimentos que analisam os aspetos de ESG na tomada de decisão, podem contribuir para alcançar os objetivos de política da União Europeia, relacionados com a transição para uma economia de baixo carbono e resiliente ao clima, e promover a criação de riqueza ambiental e socialmente responsável, incluindo o respeito pelos direitos fundamentais. O BCSD respondeu a esta consulta pública.

CONTRIBUTO DO BCSD À CONSULTA PÚBLICA

2017-10-17T16:06:53+00:00