Transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar

Transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar

Data da publicação: 02/06/2017

Sofia Santos comenta a retirada dos EUA do Acordo de Paris

Ao longo desta semana soubemos que a União Europeia e a China estão alinhadas no combate às alterações climáticas. É um facto notável! Em Portugal, com o apoio do ministério do ambiente e do ministério da economia, as empresas associadas do BCSD também estão comprometidas com o Acordo de Paris, nomeadamente através do projeto Meet 2030.

Ao contrário do que defendeu Donald Trump no discurso de ontem, o Acordo de Paris não bloqueia o desenvolvimento das energias limpas e não contribui para a perda de empregos, salários mais baixos ou encerramento de fábricas. As oportunidades económicas para os países e para as empresas resultantes do Acordo de Paris estão identificadas e são inegáveis. A transição para a economia de baixo carbono já começou e não há forma de a travar.

Segundo a organização We Mean Business, a implementação do Acordo de Paris vai permitir atividades económicas de, pelo menos 13,5 biliões, nos próximos 15 anos. Também o recente relatório Better Business, Better World da Business & Sustainable Development Commission, evidencia que as oportunidades de negócio criadas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – que incluem o combate às alterações climáticas – estão avaliadas, em pelo menos, 12 biliões de dólares por ano, sendo que os ODS podem gerar até 380 milhões de novos empregos até 2030.

Tendo em conta a limitação do aumento da temperatura do planeta de 1,5 a 2 graus previsto no Acordo de Paris, no BCSD estamos a identificar potenciais oportunidades e inovações que possam criar vantagens competitivas para as empresas, de forma a promover um crescimento sustentável da economia e, obviamente, a criação de emprego. Desde o final de 2016 que o BCSD está a trabalhar com o Instituto Superior Técnico e com as empresas associadas no Meet 2030. O projeto foi criado tendo em conta as alterações que o Acordo de Paris traz às empresas e à economia portuguesa. Por isso, com o apoio institucional do ministério do ambiente e do ministério da economia, o Meet 2030 está a desenvolver cenários prospetivos para a economia portuguesa em 2030 num contexto de neutralidade carbónica, tendo como objetivo identificar as oportunidades de inovação e de crescimento que podem vir a ser criadas. O relatório final do Meet 2030 vai ser apresentado no próximo mês de novembro.

O Meet pretende introduzir o futuro pela mão das empresas do BCSD, contando com a devida auscultação de entidades públicas e demais stakeholders nacionais e internacionais. Recentemente, organizámos o seminário “Energia, clima e crescimento económico: oportunidades de negócio para Portugal” onde contámos com intervenções da OCDE, CDP e Comissão Europeia. O seminário serviu também de momento de reflexão sobre o futuro da economia e das empresas com os contributos da Agência Portuguesa do Ambiente e da Secretaria de Estado da indústria. Não tenho dúvidas de que o Meet vai mostrar que as restrições ambientais podem ser oportunidades de negócio.

Aceite o desafio e venha conhecer o Meet 2030

 

2017-06-02T14:10:26+00:00