act4nature Portugal no jornal ECO

act4nature Portugal no jornal ECO

Data da publicação: Set 2020

Quatro meses depois do Business Council for Sustainable Development (BCSD) Portugal ter lançado, em maio, no Dia Internacional da Diversidade Biológica, a iniciativa Act4Nature — com o objetivo de “mobilizar e incentivar as empresas a proteger, promover e restaurar a biodiversidade e os serviços de ecossistemas” — são já 17 as empresas portuguesas a bordo desta iniciativa.

Altice Portugal, Ambiosfera, ANA Aeroportos de Portugal, Corticeira Amorim, Grupo Crédito Agrícola, CTT, ECOINSIDE, EDIA, EDP, Herdade dos Grous, Jerónimo Martins, LIPOR, NBI – Natural Business Intelligence, REN, The Navigator Company, Trivalor, VdA são então as 17 empresas nacionais que assumiram este “compromisso em prol de sociedades saudáveis, economias resilientes e negócios prósperos, respeitando a natureza”.

“Estas empresas já deram o primeiro passo para agir em prol da natureza, e isso pode ser inspirador para todas as outras. Espero que no futuro possa ser um coro maior de empresas portuguesas, orgulhosas nesta transição, apesar das assimetrias que possam ainda existir no tecido empresarial português”, disse João Meneses, secretário-geral do BCSD Portugal esta sexta-feira na conferência online Empresas pela Biodiversidade, que contou com a presença do Ministro do Ambiente e da Ação Climática.

A preservação da biodiversidade vai ser um desafio tão relevante como a redução das emissões. Não são dissociáveis. Este Act4Nature é da maior importância para uma política pública em prol da biodiversidade, com liderança política e com as empresas a bordo “, disse João Pedro Matos Fernandes.

No encerramento do evento digital frisou ainda que “este é o ano para definir as metas de conservação da natureza até 2030″ e que “as empresas têm de ter um papel mais ativo e perceber que os negócios de sustentabilidade são os negócios de futuro”. O Governo encomendou já a uma equipa liderada pelo cientista Miguel Bastos Araújo, o biogeógrafo que em 2018 recebeu o Prémio Pessoa, a realização do Estudo Biodiversidade 2030, “para que durante o próximo ano possamos ter um a uma nova visão para a conservação da natureza”, centrado em cinco pilares: Clima, Território, Águas interiores e costeiras, Oceano e Pessoas.

“Há muito mais a fazer pela conservação da natureza. Temos mesmo de cuidar da nossa biodiversidade e as empresas têm de estar atentas. As metas definidas no passado para 2020 não foram cumpridas porque eram vagas e o compromisso dos governos e das empresas desajustado”, disse Matos Fernandes, prometendo para breve a apresentação de uma “nova visão para a biodiversidade” com base no estudo que está a ser realizado.

Leia o resto da notícia aqui.

2020-10-13T13:36:28+00:00
This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept